1/5

MOSTRA PARANAENSE DE DANÇA

É um evento já consolidado e faz parte do calendário cultural do Estado do Paraná. Desde 2008, foram realizadas 12 edições anuais ininterruptas, e vem apresentando um crescente no número de artistas inscritos e de coreografias apresentadas.


Tem como diferencial, em relação aos outros festivais, a seleção de trabalhos através de espetáculos com plateia e a integração de profissionais da dança com os artistas do seu Estado. É uma iniciativa que oportuniza um grande intercâmbio cultural e, mais do que isso, a descentralização, a divulgação e o fomento da dança do Estado.

1/4

ENCONTRO PARA-DANÇAR

Compreende uma mostra internacional de dança, com a participação de grupos que possuem em seu elenco pessoas com deficiência física e/ou intelectual, para promover o encontro de artistas, professores, coreógrafos, terapeutas e empreendedores, que praticam, trabalham e/ou incentivam a dança realizada por pessoas com deficiência, através de uma programação formada por apresentações artísticas, oficinas e debates, ambientados em espaços adequados e democráticos.


As três primeiras edições do evento (2012, 2013 e 2015) foram realizadas na cidade e Ponta Grossa/PR. A quarta edição, ampliou o alcance do projeto com a realização de atividades também em outras cidades paranaenses – Curitiba e Paranaguá - com o envolvimento de um número maior de participantes brasileiros, e com um intercâmbio internacional com pessoas, grupos e iniciativas similares, ao receber artistas internacionais para as atividades no Brasil e levar artistas brasileiros para o exterior.

1/4

RITUAL INVISÍVEL

Em 2016 estreou em Curitiba, no Teatro Zé Maria, o espetáculo Ritual Invisível, com dez apresentações nos meses de agosto e setembro.

O projeto, que foi contemplado com o Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna 2015, foi uma proposta de Airton Rodrigues para investigar a relação do homem, inserido na sociedade, com aquilo que ele entende por seu eu.

1/3

PALCO ALTERNATIVO

A dança além dos espaços convencionais. Esse era o objetivo do projeto PALCO ALTERNATIVO criado para democratizar o acesso à cultura e incentivar a formação de público. Foram promovidas 4 edições (2010-2013), pela ABABTG e patrocinadas pela Galvão Locações, com apresentações abertas e gratuitas em shoppings centers e espaços públicos da capital paranaense, como as Arcadas de São Francisco, o Memorial de Curitiba e a Casa Hoffmann.

 

A programação do Palco Alternativo foi composta por grupos selecionados para a Etapa Final da Mostra Paranaense de Dança dos respectivos anos, além de grupos convidados.

 

1/3

A LÓGICA DO PIOR

O espetáculo de dança contemporânea A LÓGICA DO PIOR foi mais um dos trabalhos produzidos pela ABABTG para a plateia de Curitiba. Dirigida ao público adulto, a obra realizada em novembro de 2011 foi uma proposta do bailarino e coreógrafo Rodrigo Mello e do arquiteto e artista plástico Márcio Carvalho.

O espetáculo A LÓGICA DO PIOR contava com dois personagens principais A Mulher (estereótipo feminino) e O Homem (estereótipo masculino), e um terceiro elemento, O Senhor do Tempo. Este inserido em outra dimensão espaço-temporal, conduzia a construção do espaço cênico e dava sentido à sequência narrativa contada em cinco momentos (Vulto, O Jogo, O Casamento, A Perda e Cotidiano) independentes e com linguagens distintas.

Contemplado no Edital de Produção de Dança da Fundação Cultural de Curitiba, a temporada de espetáculos aconteceu no Teatro Cleon Jacques. Foram 12 apresentações gratuitas abertas ao público e 10 apresentações dirigidas às unidades regionais da Prefeitura de Curitiba.

 

1/2

STRAMBELLA

Projeto realizado com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura, da Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba. As duas edições do projeto de dança contemporânea para o público infantojuvenil foram realizadas em 2013 (O mundo fantástico de Strambela) e 2015 (Strambela no Labirinto da Memória).

A ideia do projeto partiu de Strambello, um balé vencedor do Prêmio de Dança Klauss Viana 2006 no qual Rodrigo Mello foi um dos principais criadores. Em 2010, este balé foi revisitado e remontado para ser apresentado no Teatro da Caixa – Curitiba/PR (espetáculo contemplado no Edital de Ocupação de Espaços da Caixa 2010), oportunidade que consagrou a parceria entre Rodrigo Mello e Márcio Carvalho.